ASSOCIE-SE

Associe-se e desfrute de muitas vantagens

CLIQUE AQUI

Entre em contato 51 3268-1611

A+ A-

07/10/2020

Para assistir em família no Dia do Saci: “Bira e Bela, uma viagem pelas lendas” será lançada no dia 12 de outubro

Bira e Bela

A quarentena afastou fisicamente atrizes e atores do Caixa de Pandora, mas possibilitou novos desafios e até algumas facilidades ao grupo de teatro. Sem a necessidade de deslocamentos, participantes intensificaram sua rotina de ensaios para a peça em vídeo “Bira e Bela, uma viagem pelas lendas”, que será lançada pela APCEF/RS, em comemoração ao Dia do Saci, abertamente no canal no YouTube e na página da APCEF no Facebook, a partir das 17h do dia 12 de outubro.

“É uma peça que cativa  toda a familia. Sua concepção e formato são dirigidos ao público infantil, mas tanto o texto quanto a encenação proporcionam entreterimento e diversão para todas as faixas etárias. Os personagens-título, Bira e Bela, têm por volta de oito e nove anos, mas estão inseridos num mundo familiar onde existem questões do cotidiano, e no mundo das lendas, onde é fortemente defendida a questão ecológica”, explica a diretora Sandra Loureiro

“Bira e Bela: uma viagem pelas lendas” conta a história de um menino e uma menina que por acidente caem dentro do computador, e passam então a ser personagens do jogo virtual "O Desafio das Lendas". Guiados pelo Saci, terão que superar as fases de um jogo que trata de temas como poluição, higiene, defesa das florestas e hábito alimentares. A peça foi escrita pela diretora do Caixa de Pandora, Sandra Loureiro, e é encenada por atrizes e atores bancárias e bancários.

Bira e Bela

Uma das escolhas foi de trabalhar com o cotidiano familiar, tematizando o estudo remoto, muito comum neste momento em muitas casas, utilizando a mãe e o tio do protagonista como comentaristas. “São muitos temas abordados, mas a mensagem mais abrangente é de que o conhecimento e o estudo são o mais importante, é o que faz com que se consiga resolver os desafios da vida”, explica Sandra.

Em cada momento da peça há um tema utilizado como representante de algo a ser estudado: a Yara representa a questão ecológica, principalmente na defesa das águas; o Lobisomem trabalha a questão dos cuidados com a higiene; o Curupira levanta a questão do desmatamento e do mau uso da floresta; e a Cuca, finalmente, é a representante da necessidade de um cuidado com a saúde, através da reeducação alimentar, adianta o grupo Caixa de Pandora.

Sandra diz que se trata de um formato inédito em termos de concepção e criação: “a transposição do trabalho de ator/atriz de teatro, com a sua tridimensionalidade, para o vídeo, que é mais ágil e efêmero no seu acesso ao público, porém mais eterno pois se perpetua no elemento gravado”, o que ela classifica como "encenação para vídeo".

“O grupo trabalhou muito, e com extrema dedicação, passamos de um ensaio semanal para cinco. A motivação era muito grande, pois foram muitas descobertas nesse novo formato de trabalho, fazendo a transposição de uma atuação teatral para vídeo, são dois espaços bem diferentes. O desafio e as vitórias com as novas possibilidades instigou muito o grupo”, diz a diretora. “Como resultado acabamos ficando muito mais integrados ao trabalho de maneira geral, ou seja: a pandemia nos afastou geograficamente mas nos aproximou na união por um grande objetivo comum”, pontua.

Não deixe de juntar a criançada para assistir à produção! A gente se vê na segunda-feira!

Últimas Notícias


Associação do Pessoal da Caixa Econômica Federal do Rio Grande do Sul
Gestão CORAGEM PARA CONSTRUIR O BEM COMUM 2018/2021
Avenida Coronel Marcos, 851, Ipanema, Porto Alegre / RS | CEP 91760-000
Telefone: (51) 3268-1611 | Fax: (51) 3268-2700